Antiga Roma

Economia comercial, urbana e monetária

 A agricultura e a pecuária foram as actividades económicas que desempenharam, durante muito tempo, um papel muito importante na economia romana – 90% da população vivia no campo.

Os mais ricos possuíam grandes propriedades agrícolas - latifúndios, cultivadas por escravos com trigo, a vinha e a oliveira (culturas mediterrânicas)               
                           

Os escravos ocupavam-se com outras actividades produtivas, tornando-os indispensáveis para a economia e vida romana.

Com a integração de vastos territórios no Império, assistiu-se ao crescimento progressivo do comércio, favorecido pela Paz Romana

As diferentes províncias do Império possuíam recursos diferentes e intensificaram as trocas comerciais entre si, apoiados por uma vasta rede de estradas; rios navegáveis; mar Mediterrâneo (o transporte marítimo era mais seguro e barato).
                           

A Roma chegavam produtos de todo o Império. Este crescimento comercial fez aumentar a produção agrícola e artesanal, assim como, a circulação de moeda.As cidades do Império ganharam dinamismo, em especial os pontos privilegiados de comércio, onde proliferaram as pequenas oficinas artesanais, atraindo os camponeses para as cidades à procura de melhores condições de vida – êxodo rural.
                                
 As cidades constituíam o centro da vida política e administrativa do Império, onde os imperadores e os mais abastados escolhiam para construírem edifícios públicos – balneários, teatros, anfiteatros para atrair habitantes.
                           

No séc. II a.C., existiam em todo o Império cerca de 4000 cidades.
Por este motivo, a economia romana é comercial; urbana e monetária.  

Imagem Esquemática